Poesias

Morada Encantada – Poetisa Riselda Morais

Na casa de vidro, 
há uma transparência, 
de tamanha grandeza, 
que remete a inocência.

Tem cortinas brancas, 
com tamanha beleza, 
que impressiona, 
encanta a singeleza.

Entre móveis brancos, 
deitada na cama, 
como que a despertar 
com um livro nas mãos, 
tão fácil de ler, 
basta o observar 
para tudo saber.

Eis que ao olhar em frente, 
reconheço o mestre,
sentado, sereno, 
pouco diferente, 
do mundo real.

Ao seu lado há,
uma pequena e redonda mesa, 
que revela a certeza de todo saber, 
enquanto ele lê,
uma página por livro 
e os guarda lá 
com muita destreza.

Não sei dia, nem mês, ano ou século talvez!

Por larga porta saímos…
Caminho descalça,
meu vestido branco
tem pontas de estrela 
que dançam ao vento, 
em um lapso de tempo, 
estou sentada 
em um banco de praça 
sobre grama, 
acolhida pelos braços do mestre 
e protegida por laços eternos.

Tão terna e sublime a sensação
de poder ter em dois mundos
uma amizade eterna, 
luz que é inspiração.

A minha frente, um lago,
ouço divinas notas musicais, 
um pouco acima vejo a terra, 
que apresenta-se linda, 
com duas vezes o tamanho 
de uma lua cheia, 
vestida de azul, 
imponente, amada, 
com ares de graça, 
célebre e cheia de magia, 
refletindo-se na água
e banhando-se 
nos segredos da eternidade.

“É para lá que vou”, 
surge inesperadamente, 
a certeza em minha mente.

Lentamente e sem sofrimento, 
deixo a morada encantada, 
meus antigos lares 
e caminho por 
extensos meandros
e infinitos verdes vales,
passeio sobre a grama, 
posso sentir seu cheiro 
e sentir-lhe em meus pés,
entre flores e cores 
de frutos desconhecidos 
de formas variadas.

Paro, 
fixo o olhar, 
é o mestre dos mestres 
diante de mim, 
ajoelho-me simplesmente.

É Jesus em minha frente, 
com sua mão estendida 
sobre mim 
a me abençoar, 
sua luz se derrama 
sobre minha cabeça 
a me envolver, 
me vestir, 
a me banhar.

Até que vence a percepção
e desperto em tola razão,
lembrando-me através da luz, 
pela estrada tão distante do olhar
e tão próxima da mente, 
onde abrem-se as portas iluminadas 
de um novo mundo 
através de uma viagem celestial.