Poderosas e elegantes as mulheres não querem descer do salto!

     Conheça os benefícios e os riscos  do salto alto

      Não podemos negar… somos apaixonadas por salto alto e não queremos descer dele. Os saltos altos são essenciais na vida das mulheres, deixando-as mais elegantes, melhora a auto-estima fazendo-as sentir-se poderosas e deixa a postura mais ereta, no entanto, precisam ser usados com moderação para não causar danos à saúde. Uma vez que priorizamos a beleza, prejudicamos o conforto.Por isto é importante dar preferencia aos saltos que oferecem conforto e elegância ao mesmo tempo.
 Pensando em saúde, o salto ideal é aquele com uma altura de até 4 centímetros,  ele impede que as pernas fiquem inchadas porque melhora a circulação dos membros inferiores. 
        As principais desvantagens do salto alto são o desconforto e as dores causadas pela pressão que a ponta dos pés sofrem. Com a participação dos calcanhares reduzida para sustentar o corpo e com a pressão embaixo dos dedos aumentadas na mesma proporção, podem surgir problemas na coluna e encurtamento da musculatura posterior das pernas, os pés podem doer, ficarem calejados e em alguns casos até apresentar deformidades ósseas como dedos em garra e joanetes. Variar a altura do salto, intercalar entre saltos altos e mais baixos e alongar os músculos dos membros inferiores antes de usar saltos pode diminuir o desconforto e prevenir dores e formigamentos.
      Dependendo da altura do salto podemos provocar muitas alterações em nosso corpo, quanto mais alto, mais prejudicial. O salto é inofensivo até 4 cm mas a altura média dos saltos preferidos pelas mulheres varia entre 6 cm e 10 cm e o uso frequente pode provocar, mudança do centro de gravidade, má distribuição da carga nos pés, alteração na posição das articulações dos pés, tornozelos, joelhos, quadris, pelve e coluna.
     Quando se faz uso do salto, o centro de gravidade é alterado, gerando desequilíbrio. Na tentativa de compensar o desequilíbrio, a mulher hiperestende os joelhos, sobrecarregando as articulações femoropatelares e a coluna lombar. A longo prazo, também ocorre encurtamento dos músculos da panturrilha.
      O uso do salto alto altera o nosso caminhar, de modo que o tempo de apoio total (quando os dois pés estão apoiados no solo) é menor e o impulso na fase final de apoio fica comprometido, resultando no trabalho muscular maior dos membros inferiores. Ocorre a redução da participação do calcanhar na sustentação do corpo, aumentando proporcionalmente a participação do antepé. Esse aumento da carga no antepé é o responsável pelas dores nos pés e surgimentos de calos sob as cabeças dos metatarsos e nas falanges (dedos), principalmente dos 2º a 4º, o que é agravado se o tipo de sapato é de ponta fina, que pressiona os dedos. Outra causa para o aparecimento de calos é o colapso de um ou mais arcos plantares.

Tipos de saltos e consequencias

•Agulha

Bico fino é o menos recomendado até mesmo para ocasiões especiais, além de reduzir muito a participação do calcanhar na sustentação do corpo, deixa os dedos muito desconfortáveis.

•Fino

Pode causar torções de tornozelo e dores nos dedos e na planta do pé.

•Plataforma

Oferece melhor distribuição da pressão exercida pelo corpo sobre os pés. A ponta angular facilita a impulsão do corpo ao caminhar.

•Centro

O salto que sai do meio do calcanhar facilita o equilíbrio do corpo. Deixa os dedos confortáveis e pode ser uma opção para as mulheres que não abrem mão da elegância a toda hora.

•Quadrados

O modelo grosso e quadrado é um dos eleitos pela maioria das mulheres que querem manter a elegância por longos períodos do dia. Esse tipo de sapato deixa o calcanhar bem apoiado, o que ajuda no equilíbrio do corpo.

•Anabela

Pode causar desconforto, mas, como a plataforma, diminui as dores porque distribui bem a pressão do corpo sobre a planta dos pés.
Foto: reprodução Internet

Distribuição da carga de acordo com altura do salto:

Formação óssea e muscular

Sem o apoio total da superfície dos pés ao chão, o peso do corpo é levado diretamente aos calcanhares e pontas dos pés.

Unindo esse fato à falta de estabilidade que o corpo acaba sofrendo com os saltos, existe o risco de lesões importantes para com a formação óssea e muscular dos pés.

Afinal, com os saltos, os dedos (e o pé em geral) ficam totalmente comprimidos.

Evite saltos de bico fino e saltos muito altos.

 Problemas de circulação
Foto: reprodução Internet

O salto alto também pode comprometer a circulação dos pés e das pernas, devido ao fato de serem apertados e acabarem interferindo na postura.

Assim, as chances de se desenvolver varizes e celulites aumentam ainda mais.

Deformidades

Consequência do salto alto, principalmente do modelo Escarpin, os pés podem sofrer alterações em suas estruturas ósseas.

Essas deformidades podem ser bem complicadas para tratar, então, para evitar ter esse trabalho, prefira os modelos meia-pata ou anabela.

Sapatos nesse estilo reduzem a angulação dos pés e logo, o risco de deformidades a longo prazo também diminui.

Joanetes e Calos

Segundo especialistas, 90% dos casos de joanete surgem em mulheres.

O joanete é uma deformidade causada por mudanças na angulação dos ossos, que foca na região dos pés.

O dedão acaba ficando torto devido ao salto e sofre um desvio em direção ao dedo adjacente.

Assim, por causa da pressão gerada, aparece uma bolsinha cheia de líquido – que acaba levando a dores.

O calo, por sua vez, é uma “proteção” natural da pele, devido ao atrito da saliência do pé.

Ambos os problemas podem ser evitados com o uso de sapatos mais confortáveis, que não pressionem tanto assim os dedos dos pés.

Comprometimentos na pisada

Andar de salto alto com muita frequência acaba alterando toda a energia da marcha, acarretando em maiores dores em joelhos, quadris e costas.

Sem salto, toda a carga de peso é distribuída pelo pé inteiro, enquanto com o salto, o peso se concentra só nos calcanhares e no metatarso.

Assim, os seus pés podem passar a distribuir as cargas que recebe de forma desproporcional – levando a incômodos e dores.

Dicas para não descer do salto, mas com saúde:

Prefira por sapatos do tipo Anabela ou Meia-Pata;

Use saltos de até 4 centímetros;

Opte sempre pelos modelos que acomodam os dedos corretamente;

Evite ficar em cima do salto por muito tempo, leve uma rasteirinha consigo para trocar caso os pés comecem a doer.

Riselda Morais

Jornais da ACRM - Fonte segura de informação!